Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Contos sem nó

As minhas histórias

Contos sem nó

As minhas histórias

09.11.19

Viver de afectos


Lila

Fui aprendendo com os anos a viver sempre e cada vez mais de afectos. Sou a que se preocupa e manda mensagem se o marido da empregada esta doente. Que liga à tia todos os dias, porque caiu nas escadas. Que visita no hospital quem esta doente, que esta lá. Sou eu quem liga para a família do meu marido, aos tios e primos, sempre que precisam de apoio. E nas datas festivas. Que diz "gosto de ti" as amigas. Acho que estamos aqui para sermos mais uns para os outros. E eu preocupo-me genuinamente com as pessoas de quem gosto. Actualmente, uma das minhas prioridades é o meu pai. Tento não falhar um convite que me faça, tento não perder uma oportunidade de estarmos juntos,  de o meu filho viver e beber da sabedoria e graça do avô. Aos sábados, quando estamos os dois sozinhos no fim de semana, o meu pai vem jantar a Setúbal e liga, como quem não quer a coisa, a saber dos nosso planos. Não se quer impor. Raras vezes temos alguma coisa marcada e quando temos, fico sempre com um no na garganta. Hoje, não falho, daqui a pouco, já passa para me apanhar e vamos comer o nosso peixinho assado. A vida é muito curta e nunca sabemos como será o proximo sábado.

Vamos viver com mais amor e mais abraços. É só isso que se leva daqui.