Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contos sem nó

As minhas histórias

Contos sem nó

As minhas histórias

08.06.20

O meu pai


Lila

Eu sou a filha que se parece com o pai. As outras duas, mais velha e mais nova, são iguais à minha mãe. Eu, não só me pareço fisicamente com ele, como tenho exactamente os mesmos traços de personalidade do meu pai. Somos tão parecidos que no dia me que nos zangámos à seria, ficamos 14 anos sem falar. E eu tenho muita pena de ter perdido esses anos.. Porque aconteceram muitas coisas nesse espaço de tempo que não voltam a acontecer e ele, a pessoa mais especial do mundo, não esteve comigo. O dia da minha formatura. O meu casamento. O nascimento do meu único filho. O baptizado. Sucessos profissionais que fui tendo. 

Já estou em paz com esse período, mas não foi fácil chegar ate aqui. Senti-me perdida muitas vezes, órfã de mãe e de pai, sem ter um colo para onde regressar. Faltou-me essa base na primeira fase da  construção da minha família e estou certa de que muitas fases menos boas que se foram sucedendo, se deveram a isso. Quem não esta completamente bem, não pode fazer que os outros estejam bem. Eu tentava colmatar essa falta com a minha família nuclear, com as minhas irmãs, mas escondia de mim própria a falta que a figura base da minha educação e do meu carácter, me fazia. Não conseguia ter equilibrio.

Há oito anos que voltei à fala com o meu pai. Por culpa dele, que deu o primeiro passo na minha direcção.

Abençoado passo.

O meu filho ganhou um avô, para além de mim, o meu marido ganhou também um pai. A nossa relação é fantástica e hoje em dia, ainda mais agora depois do terramoto por que passámos, fico orgulhosa por ser a filha a quem recorre sempre que precisa de desabafar, ou de contar algo importante. Falamos todos os dias, almoçamos uma vez por semana, vou lá vê-lo não sei quantas outras vezes. Tem sempre uma palavra meiga, um conselho acertado, um abraço apertado para todos (e um cestinho com pão, vegetais, morangos, etc).

A cada dia que passa tenho mais orgulho de ser a filha que se parece com ele.

E agradeço á minha mãe ter-nos deixado bem entregues. Umas ás outras e a ele.

O melhor pai do mundo e arredores.

 

2 comentários

Comentar post