Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contos sem nó

As minhas histórias

Contos sem nó

As minhas histórias

22.08.21

News from Dubai-1


Lila

Chegamos na sexta-feira já de madrugada. Tive um ataque de choro no aeroporto, depois de me ter portado super bem ao fechar a porta da nossa casa, quando os amigos do JA apareceram de surpresa no aeroporto. A viagem correu muito bem, sete horas e meia que acabam por não ser muito penosas, entre refeições e filmes que fomos vendo. Trouxemos 8 malas, quatro grandes e uma media no porão, e três pequenas connosco na cabine. Para grande surpresa minha, não pagámos excesso de bagagem. Afinal de contas, trazer uma vida às costas não costuma ser leve. Não se partiu, nem se estragou nada, e a quantidade absurda de medicamentos , produtos para a pele e cabelos que trouxe, chegou intocável. Valeu bem a pena. Os produtos dos caracóis ainda não os descobri, mas os da pele existem aos pontapés por tudo quanto é farmácia. A bem dizer, ainda não pensei em nada que não haja aqui. Ontem dormimos a manhã toda (tínhamos ido para a cama perto das cinco da manhã entre chegar ao hotel e arrumar minimamente as coisas, com os meus dois homens a irem à rua jantar as quatro da manhã...)Sim, esta muita coisa aberta 24 sobre 24 horas) e a tarde foi passada a dar a primeira volta de reconhecimento na Jumeirah Marine, onde estamos hospedados, e o primeiro mergulho no mar  mais quente do mundo. Chegamos ao restaurante  para almoçar, completamente encharcados em suor, eu a transpirar do bigode e da prega das nalgas como gente grande. Estão quarenta e muitos graus, mas o que faz calor é a humidade. O bafo pega-se a uma pessoa e só sai com ar condicionado. Que felizmente abunda por tudo quanto é sitio. O apartamento é gigante, equipado com tudo, e tem uma vista de cortar a respiração. Não me canso de olhar pela janela deste vigesimo andar. Acabámos o dia na piscina do hotel, eu a ver o meu filho, este adolescente corajoso que deixou para trás os amigos, a brincar com o pai e a rir à gargalhada. E a pensar como raios estamos aqui, assim, de repente, numa vida nova.

Sei que vão vir dias maus, mas ontem foi um dia muito bom.

2 comentários

Comentar post