Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Contos sem nó

As minhas histórias

Contos sem nó

As minhas histórias

27.06.20

Depressão


Lila

Na ultima semana muitos se questionaram o porquê do que aconteceu ao Pedro Lima. Sendo uma figura publica, ainda por cima simpático, bonito e passando sempre a imagem de homem de família (numerosa), cada um de nós sentiu que perdeu alguém conhecido. Para mim, o suicídio é um mistério. Nunca consegui decidir se é um acto de coragem ou de cobardia. Por muito que pense, não chego a nenhuma conclusão. Entendo apenas que terá de se chegar a um desespero tal, que não haja outra saída. Tomar a decisão, escolher o método e avançar, deve ser de uma coragem extrema. Mas não ficar cá pelos nossos, não encarar os problemas e as tristezas e deixar os que amamos em sofrimento, por nossa culpa, é de uma cobardia atroz. No caso do Pedro, faz ainda mais confusão. Ninguém notou uma depressão profunda. Trabalhou na véspera. Teve uma semana normal. Tinha cinco filhos, projectos para o futuro, trabalho, uma companheira. 

O que pensara a família? Deve ser impossível não sentir culpa, deve ser impossível não analisar todos os detalhes e pensar o que se poderia ter feito. 

Eu sou uma pessoa bastante positiva e que para todos estou sempre bem. Tenho momentos de profunda tristeza e de solidão e em alguns deles já pensei que a vida neste mundo não fazia sentido. Quem nunca? Nunca fiz terapia, sempre consegui gerir as minhas tristezas sozinha. Umas vezes melhor e mais depressa, outras pior e mais devagar. O perigo das pessoas positivas e alegres é que ninguém se preocupa em perguntar. Não dão sinais exteriores tão visíveis como as outras que passam o tempo a lamentar-se de tudo e de todos. A essas pessoas,as easy going, a ajuda chega tarde ou nunca chega. E com o tempo, as tristezas profundas dão lugar à depressão e poucos dão por isso.

Ele è´tão alegre, tão bonito, tão feliz. Esta tudo bem.

Dá que pensar. E nesta semana, tão dura, com tanto trabalho, não deixei nunca de pensar na dor do Pedro. Na coragem do Pedro. Na cobardia do Pedro. Na mulher que se sentirá falhada e viverá um trauma para a vida. Nos filhos, que nunca mais vão ser os mesmos meninos felizes de há uma semana atrás.

É impossível não ficar a pensar em tudo isso.