Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contos sem nó

As minhas histórias

Contos sem nó

As minhas histórias

30.11.12

O raça do feitio filho da mãe do gaiato II


Lila

O meu filho tem uma característica muito peculiar.

Quando tem fome, transforma-se noutra criança.

Resmunga, responde mal, só não dá coices porque apanharia uma palmada primeiro, mas é só o que falta.

Hoje estava a fazer o jantar e a coisa não andava, entre sopa e lasanha, nunca mais me despachava.

E via-o a petiscar e a morder coisas, á minha volta, a espreitar o fogão,  numa cena típica de quem está com fome.

E eu não tomei atenção, porque uma peça de fruta tinah amenizado a coisa. Não me lembrei.

Quando se sentou à mesa, ninguem conseguia falar com ele.

Estava enraivecido, com uma tromba que parecia um elefante.

Até que a sopa do prato se foi e de repente, a meio do segundo prato, regressa o nosso JA, alegre e doce, a contar anedotas.

Quem nunca viu até pode achar que estou a exagerar, mas é exactamente assim, com este timing e com esta intensidade.

A glicose no sangue do meu filho faz uma enorme diferença naquele humor.

E o engraçado é que ele sempre foi assim, desde bebé.

O pior é que eu tenho a certeza de que isto lhe vai ficar para a vida.

Até já  me estou a ver a dizer á mulher dele, no dia do casamento:

-Olha querida, quando ele começar a azedar, é fome. Abre-lhe a boca e enfia qualquer coisa lá para dentro, dá-lhe um balão de soro, enfim, alimenta-o, que ele volta...

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.