Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contos sem nó

As minhas histórias

Contos sem nó

As minhas histórias

13.01.20

45


Lila

80788757_2778390025545888_4315243961158467584_n.jp

Cheguei a meio da década. Não tenho com esta idade a vida que idealizei, mas também não me posso queixar. Tenho saúde.  Um trabalho de que gosto e que me realiza. Tenho um marido que amo de paixão há 27 anos e um filho mais do que perfeito, aquele com que sonhei e que ilumina os meus dias. Perdi a minha mãe mais cedo do que devia, sinto a sua falta a toda a hora. Sou órfã de mãe há vinte e cinco anos. Não devia estar longe dela, não é justo.Sinto o peso dessa injustiça muitas vezes. Mas por perto, bem perto, tenho o meu pai. O mais honesto, correcto, amigo, bem disposto e fantástico pai e avô, de sempre. O que esta sempre disponível para mim. De quem me orgulho muito. Que não é o pai de mimos físicos, mas de mimos em forma de acções. O que enche o carro de legumes e pão e comida já feita quando chego de viagem. O que vem jantar a Setúbal nos sábados em que o A. não esta, para me fazer companhia.  E as minhas manas. Tão diferentes e tão iguais a mim. Que me completam nas gargalhadas. E os amigos. Aqueles que se contam pelos dedos da mão, mas que me fazem sentir especial.

Chego aos 45 com o meu mais que tudo, uma vez mais, longe. Não sou de fazer festas de aniversario, nunca fui. Mas custa-me muito passar o dia de aniversario longe da minha metade. Não é a primeira vez, e sei que, continuando este projecto de vida que estamos a construir, não será o ultimo. Nestes dias só se acentua a minha solidão diária, a que se vai notando mais e mais, à medida que o nosso filho vai crescendo e ganhado asas.

Estes últimos anos foram bons, cheios de saúde, cheios de coisas boas e menos boas, mas com saldo francamente positivo.

Espero continuar a viver com a força e com o entusiasmo que me caracteriza, para conseguir levar em frente e da melhor forma esta vida de mulher de emigrante e mãe muitas vezes sozinha, trabalhadora que viaja constantemente, organizada e batalhadora, obstinada, preocupada e amiga dos seus. Quero estar aqui para os meus.

Venham mais 45.

A vida é boa.

1 comentário

Comentar post