Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contos sem nó

As minhas histórias

Contos sem nó

As minhas histórias

26.08.11

O que eu aprendi aos 30.


Lila

(texto escrito para a revista Cosmopolitan- Setembro)

 

Apesar de ser uma mulher assumidamente stressada, aos 30 comecei a aprender a relaxar.

Há coisas com as quais temos que lidar, não há mesmo volta que lhes possamos dar e mais vale respirar fundo e deixar andar, que dar dois gritos e perder a razão.

Aprendi que afinal, a idade de ouro de uma mulher não são os vintes, perdoem-me as moçoilas viçosas, mas é mesmo assim.

Os trinta, são os novos vinte.

E com a vantagem de que já não temos que provar nada a ninguém, na maioria dos casos, a fase das conquistas já passou, e podemos ser bonitas e interessantes para nós mesmas.

Aos trinta, as primeiras rugas, aquele cabelo branco que insiste em aparecer, apesar de já o termos arrancado umas quarenta e cinco vezes, são encarados, apenas e só  como sinais de experiência, de coisas boas e menos boas  vividas, de trabalho bem feito, de noitadas, de discussões que ganhámos e de outras que perdemos.

Com trinta, aprendi que muito provavelmente só me voltariam a chamar por " menina" numa loja, quando fosse ao Porto. No resto do mundo sou tratada por "senhora".

Aos trinta descobri que aquele quilo a mais não se vai embora da minha anca se se sentir ignorado. Muito pelo contrário. Ele só vai partir de mala feita se eu lhe der guerra, pura e dura. Coisa que aos vinte não precisava acontecer.

Aos trinta descobri que ser mãe é o melhor sentimento do mundo, mas também a tarefa mais ingrata e difícil na vida de uma mulher.

Aos trinta descobri que realmente não vale a pena lutar contra o tempo, que a gravidade não é um conceito que se aplica só no espaço, mais vale prevenir do que remediar...

Aos trinta já não me encho de inveja ao ver a "quase que parece um modelo fotográfico" que corre atrás de um autocarro em cima de uns saltos agulha,sem os prender na calçada portuguesa,  sem perder a postura, sem esborratar a maquilhagem perfeita.

Porque já percebi que aquilo não é charme, mas sim falta de dinheiro para comprar um carro...

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.