Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contos sem nó

As minhas histórias

Contos sem nó

As minhas histórias

28.09.10

Ai a minha vida!


Lila

Hoje o dia foi para esquecer.

Deitei-me já tarde e sem sono nenhum, para variar.

E lá estive, como tem sido habitual nas últimas semanas, a rebolar na cama, e sem dormir.

Ás duas e meia da manhã, só para me animar, o meu filho vomitou na cama.

E foi bem divertido dar-lhe banho, dar banho á cama e fazê-la de lavado aquela hora.

Levantei-me sem ter dormido nada, para fazer ginástica (WTF???).

Depois foi a correria de sempre para por o JA na escola a tempo e horas.

Voei para Evora onde trabalhei o dia todo.

Para que não fosse um pouco mais fácil estive com hemorragias dignas de uma transfusão de sangue, como não tinha desde adolescente, o caraças do dia todo.

E hoje sim, o dia foi um desafio real á minha dieta.

Correr de um lado para o outro, almoçar num hospital...

Acho que não me saí lá grande coisa, a ver se amanhã compenso.

A meio do dia percebi que o curso de espanhol tinha que começar hoje e não amanhã como planeado.

E que seria até muito mais tarde do que o planeado.

Voei para Lisboa, para tratar de tudo.

E no caminho ligar á santa da sogra para me ficar com o míudo, para lhe dar banho e jantar e po-lo na cama, que sim, que eu afinal tenho espanhol.

Lá comecei o raça do Curso das 19h ás 21h30, morta de cansaço.

Cheguei a casa ás 22h30, a arrastar as costas das mãos pelo chão. Queixas e mais queixas do lindo comportamento do meu filho (a sério, ultimamente tem estado insuportável...).

Fui-me meter debaixo do chuveiro.

E a essas lindas horas decidi comer uma canjinha.

Estava eu olhar para o infinito, enquanto ela aquecia no microondas, quando ouvi um estrondo.

Abri a porta  e a canja estava espalhada pelo microondas todo, numa explosão nojenta de massinhas e moelas, pegadas ás qutaro paredes do aparelho.

É pá, vão se lixar, puta da sopa, só me apétece dizer asneiras, ó cum caraças.

 

Vou-me deitar, que hoje já é amanhã e o dia (quer-me parecer) vai ser outra valente merda.

 

 

 

1 comentário

Comentar post