Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos sem nó

As minhas histórias

Contos sem nó

As minhas histórias

25.08.16

O meu antigo chefe


Lila

unnamed.png

Ontem, vi esta proverbio no curso de italiano que ando a fazer online e tive que envia-lo ao meu antigo chefe, de quem tenho muitas saudades. Era a sua frase favorita...

25.08.16

Saudades


Lila

mae.jpg

Ontem jantamos no meu pai e fizemos, por acaso, um serão de memorias, a ver fotos antigas. Perdemos a nossa mãe muito jovem e a minha irmã mais nova não recebeu um passado afectivo, relativo à família, como eu, e a mais velha recebemos. Por isso, sempre que conseguimos, passamos-lhe essas memorias. Esta foto marca um acontecimento importante na vida dos meus pais, um  casamento por procuração, muito frequente em tempos de guerra. A minha mãe nunca chegou a ir para África, como tinha sido combinado e nunca se conformou com isso. Os casamentos eram o seu ponto fraco. Recordar este momento. Foi muito por causa dessa mágoa que decidi fazer uma festa de casamento, vestir-me de noiva. Não queria passar a minha vida a reviver a mágoa da minha mãe. Ver aquelas fotos, ontem, fez-me ficar ainda com mais saudades. Saudades dos tempos que não chegou a viver connosco e com os netos. Revolta por nos ter sido arrancada tão cedo.

25.08.16

Caminhadas


Lila

Mesmo os dias menos bons, conseguem ser bonzinhos. O segredo para me sentir bem: beber muita água e fazer muitos quilómetros, todos os dias.

km.png

 

 

24.08.16

Sobre as pessoas tóxicas


Lila

14045569_10210254948679083_4650040368800665647_n.j

 

Tento fugir das pessoas tóxicas, que só nos deitam abaixo, que têm uma perspectiva pessimista das coisas, que são derrotistas sem nenhum motivo. Infelizmente, há pessoas assim em todo o lado e algumas, não conseguimos afastar por completo. Mas há que saber controlar o que nos passam, e aprender a atenuar o impacto que produzem em nós. 

Quando trabalhava na Bayer, tinha um colega de quem eu gostava muito, boa pessoa, mas que tinha o péssimo habito de passar o tempo a dizer mal das coisas, do trabalho, do chefe, do horario. Evitava estar com ele, para não ser afectada por isso. Nesta empresa, há outro colega assim. E tive que acabar com os almoços juntos, porque saia sempre deprimida desses encontros. Eu sei que por vezes, nos faz bem fazer uma catarse, mas passar a vida nisso? Não adianta nada, de nada.

24.08.16

Cabelo


Lila

No outro dia estava a ler este artigo na plataforma Delas (http://www.delas.pt/enrolar-o-cabelo-no-alto-da-cabeca-nao-e-desleixo-e-moda/) e pensei que ultimamente, passo o tempo com o cabelo apanhado no alto da cabeça. O artigo diz que não é desleixo, é moda, mas eu posso afirmar por experiencia própria que, no meu caso não é uma coisa nem outra. Chama-se calor e sentido pratico. Primeiro, ninguém aguenta uma trunfa gigante e pesada como a minha em cima das costas e do pescoço em pleno verão. Segundo, sou incapaz de fazer seja o que for, inclusive comer, com o cabelo solto. Quando chego a casa, tiro os sapatos e prendo o cabelo. E nunca com um rabo de cavalo. Sempre enrolado, mais ou menos assim:

13775806_1136434176408156_6867844101373199388_n.jp

É muito pratico, até durmo com o cabelo assim e tudo! 

 

24.08.16

Um problema menos


Lila

13177328_10206463449760707_5345426774393487462_n.j

 

Ontem surgiu-me uma situação delicada, que tinha que resolver. Tinha decidido que o faria na quinta-feira, mas o facto de ter passado a noite às voltas com a questão, fez-me levantar da cama hoje, ligar para a pessoa e por tudo em pratos limpos, para não fazer rolar mais a bola e tornar um problema pequeno numa avalanche. E ainda bem que o fiz, porque já está resolvido e esclarecido. E eu já não me sinto injustiçada. Esta coisa de ser assertiva. é algo que eu tenho que trabalhar. Escondermo-nos dos problemas e enterrar a cabeça na areia é tão mais fácil, mas não pode ser.  

23.08.16

Calções


Lila

A dificuldade que eu tenho em comprar calças ou calções para o meu filho é gigante. O rapaz está muito alto, tem pernas grandes, maiores do que devia ter um menino de 11 anos. Se os modelos são estreitos, não servem. Esta nova moda de calças tipo skiny, são para esquecer.  Está na fase de já não servir os de criança, para 14 anos e ainda não servirem os de adulto. De cada vez que vejo calções que me pareçam larguinhos, vou a correr comprar. Ainda por cima porque ele só veste calções desde que começa a Primavera e até que o Outono vai a meio (odeia calças, nisso sai mesmo ao pai!).Ontem comprei uns calções de ganga, que estão em standby, no saco, à espera de ver se entram no "modelo". E lá na loja vi uns estampados, muito giros, mas que não havia o tamanho 14 anos. Lá fui hoje à net, compra-los, antes que acabem e rezar para que sirvam.

O ano que vem vai ser lixado no que a roupa diz respeito, já vi.

a61fae562dbeb82947f66b544d71474d9b499f0e.jpg