Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos sem nó

As minhas histórias

Contos sem nó

As minhas histórias

24.03.16

A senhora da furgoneta


Lila

547111.jpg

 

Ontem o JA teve uma festa de aniversário ao final da tarde e eu fugi para o cinema. E que delicia este filme! Um misto de humor, com drama, a vida real, a nossa, de todos os dias e a forma como podemos ou não fazer a diferença na vida de outras pessoas. E depois, a escrita e o piano em destaque. Adorei. Maggie Smith num papel irrepreensível. Um filme para guardar no coração e na memoria.

23.03.16

A pedofilia


Lila

O meu filho vê nas noticias que o Carlos Cruz lançou um livro, enquanto vive uma saída precária da prisão. Inevitavelmente pergunta quem é aquela pessoa e eu explico. Explico que aquele senhor foi dos mais conhecidos apresentadores de TV, quando eu era pequena. E depois, como não podia deixar de ser, pergunta porque é que foi preso. Respirei fundo e respondi a verdade. Que foi acusado e condenado por se relacionar com crianças. "Como assim, relacionar-se com crianças?" Expliquei que existem pessoas que, em vez de gostarem de estar com adultos, como deviam, têm problemas mentais, são doentes e preferem estar com crianças. De lhes tocar. E isso não é normal. E é por isso que eu não gosto que ele vá ao WC de Centros Comerciais sozinho,  sem o pai. Que tudo o que lhe pareça fora do normal na atitude de uma adulto, é mesmo fora do normal. Que deve sempre ser denunciado. Que existem pessoas muito estranhas neste mundo e que ele não deve viver com medo, mas sim, viver sempre com muita precaução e não correr riscos.

Pronto. Calham-me sempre as batatas quentes a mim.

23.03.16

Ainda Bruxelas


Lila

Ontem vi as imagens do aeroporto e fiquei perturbadíssima, Já não conseguia dormir, estive aflita, liguei para o meu marido, senti o coração aos saltos de tanta angustia. Eu frequento aeroportos todas as semanas, fez-me mesmo muita impressão ver as pessoas ali, tão frágeis, tão vulneráveis. Consegui por-me no lugar delas, sofri por cada uma. Que mundo mais estranho este em que vivemos.

22.03.16

Burros, os dois


Lila

burro.jpg

Hoje, no meio de arrumações (dei cá uma volta ao escritório do meu marido!!!), encontrei esta foto. Deve ser a foto mais curiosa que tenho de bata (normalmente estou em laboratório). Lembro-me perfeitamente de a ter tirado, foi em Águas de Moura, ao lado do Centro de Estudos de  Vectores e Doenças Infecciosas do Instituto Ricardo Jorge, onde trabalhei como investigadora um ano. Este burrinho andava sempre por ali e nesse dia, sabe-se lá porque, fotografaram-me. Tinha 23 anos.