Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos sem nó

As minhas histórias

Contos sem nó

As minhas histórias

08.02.15

Das perdas


Lila

Esta semana foi semana de lembrar as perdas.

No Domingo, dia 1, fez dois anos que morreu a minha titi.

Na quinta, dia 5 passou uma ano sobre a morte da minha cunhada.

E no dia 6, a minha titi fazia anos. 88 anos.

Amanhã, tenho o funeral da minha cunhada Edite, depois de terem terminado os estudos na Faculdade de Medicina, para os quais se ofereceu em vida.

E o irmão não está cá para a ultima despedida...

 

08.02.15

Do teatro


Lila

Não sei se é do meu sono, ou da minha irritabilidade pela bela noite que passei, mas a peça foi uma bela merda.

( o meu filho até gostou e o Pedrinho não achou piada)

08.02.15

O meu vizinho é mais maluco do que os vossos


Lila

As saudades que eu tinha de passar uma noite em branco, a ouvir o meu querido vizinho a abrir e a fechar a porta da rua, a subir e a descer no elevador, a tocar-me à campainha com o dedo esquecido por minutos e a falar no hall, onde faz um eco do catano?

E das tralhas que ele faz entrar e sair de casa durante a madrugada, enchendo toda a zona da porta e até da entrada do prédio?

E das cacetadas que ele deu com um florete de esgrima na minha porta?

E as saudades das duas brigadas da PSP que tiveram que cá vir, chamadas por mim?

Eram mesmo muitas.

O que vale, é que a segunda equipa levou o senhor, descalço, com a chave por dentro da porta e fechado na rua, para a esquadra e depois, para a ala psiquiátrica do hospital de Setúbal.

Agora, é rezar que por lá fique uns bons tempos.

A minha sanidade mental, agradece.

07.02.15

Em casa


Lila

Cheguei ao aeroporto de Lisboa depois das 21h30 e entre esperar pela mala, e ir buscar o meu carro à casa do meu pai, que me foi buscar ao aeroporto e me fez a surpresa de levar o meu filho, chegámos a casa por volta das 23h.

O meu pai encheu-me o carro com básicos para sobreviver esta manhã: pão, fruta, sopa, arroz de tomate.

Deitei-me por volta da 1h porque desmanchei as duas malas, a minha e a do JA e ainda fiz uma maquina de roupa.

Deixei tudo arrumado.

Esta manhã, por volta das 7h30, já estava a estender roupa e a fazer outra máquina. Voltei a dormir e ao final da manhã, já tinha a roupa toda lavada.

Saímos para ir ao supermercado (isto de estar uma semana fora de casa, tem destas coisas) e ao voltar passei a roupa toda a ferro.

Ás 17h estava tudo lavado, passado e arrumado.

No entretanto, enquanto o JA estudava para o teste de ciências, arrumei a cozinha toda, gavetas, prateleiras, bancada.

Esta semana, por não estar cá ninguém, saltámos a intervenção da minha equipa de limpeza, por isso e até sexta, vou eu dando um jeitinho às coisas.

O meu filho está muito carente, muito agarrado a mim, muito mimocas.

Esta semana foi difícil para todos. Para mim, que trabalhei como uma moura, para ele, que apesar dos mimos da avó e do avô (ontem passou lá a tarde até eu chegar), tinha muitas saudades dos mimos da mãe e para o pai, que está muito stressado na Alemanha.

Este fim de semana vai ser de mimos, muitos mimos, para recuperar os danos.

05.02.15

Foi hoje


Lila

Tinha uma apresentação de manhã e a moderação de 5 mesas redondas à tarde, todas com temas diferentes e com actividades cronometradas ao segundo.

Acabei exausta.

Exausta mas feliz, porque o feedback foi muito positivo.

Acho que no momento em que senti que a reunião acabou, e pude finalmente respirar, me caiu em cima todo o stress acumulado nestes dias.

Amanhã, viajamos o dia todo para chegar bem tarde a casa.

Eu, desde Domingo sem ver o meu filho.

Mal posso esperar.

E no entretanto vou dormir, que as noites aqui não têm sido fáceis: levantar muito cedo e deitar muito tarde, andar nervosa e stressada, não ajuda mesmo nada.

Felizmente que o jantar de gala ontem, teve umas horas de discoteca e eu dancei até me faltarem as forças.

03.02.15

Pior do que falecer


Lila

Não, não foi desta.

Mas está perto.

Estou em Malta, reunida com a malta do trabalho e não tenho tempo nem de respirar, quanto mais de escrever.

Mas prometo relatos fresquinhos aquando do meu regresso, no fim de semana.

E se há coisas para contar, meu Deus!!!!

No entretanto, como diz um colega meu com muita graça:

"Pastores reunidos, ovelhas mortas!"

Acho que é assim que vamos encontrar o negocio quando voltarmos.

Estamos 700 de nós por aqui, por isso, as ovelhas já devem ter morrido.

Pág. 6/6