Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos sem nó

As minhas histórias

Contos sem nó

As minhas histórias

27.09.14

percebes que tens quase 40 quando...


Lila

Ligas para o cabeleireiro e marcas cabelo, unhas e maquilhagem.

Sim, maquilhagem.

Temos um casamento no próximo sábado e eu já não tenho idade para me maçar e tentar maquilhar-me decentemente sozinha.

A Susana, esteticista que trabalha na minha cabeleireira, sabe perfeitamente o que me fica bem, sem exageros e eu assim não tenho trabalho, nem chego a enervar-me com riscos nos olhos e tons de base.

Decidi agora mesmo reformular um vestido de cerimónia usado uma única vez e leva-lo a este casamento.

Vai passar a ser uma versão curta, com outro laço, outros sapatos e outra mala.

 

26.09.14

Vitória do dia


Lila

Estender roupa de manhã. 4 cordas cheias.

E agora, ao final da tarde, estar do outro lado do cidade e começar a chover.

Estávamos de bicicleta e os meu marido e o meu filho dizem que nunca me viram pedalar tão depressa.

Cheguei antes da chuva e salvei tudo da trovoada que cai agora.

(se há coisa que odeio é estender roupa e apanha-la ainda mais molhada...)

O meu filho diz que uma motivação domestica faz milagres em mim!

26.09.14

Dia do Mar


Lila

 

 

E a possibilidade de visitar o Navio Sagres, o Creoula e o Vera Cruz, aqui mesmo em Setúbal, num dia de calor e sol lindo, que ao final da tarde se transformou em tempestade...

26.09.14

Noite terrivel


Lila

Quando chegámos a casa, a minha sogra anunciou que o JA tinha chorado outra vez.

Que estava desejoso que chegássemos.

Fui vê-lo à cama e acabou por dormir connosco.

Resultado, não dormimos nada.

E vamos ter que estar bastante atentos a esta situação.

Coração pequenino...

26.09.14

Tribos


Lila

Há dois fascínios meus que não sei explicar, que não têm relação com nada do meu passado, com nada familiar.

Um deles é a Índia. O outro é a linguagem gestual.

Por isso, gostei tanto da peça de ontem.

Uma familiar disfuncional, que não admite que tem um filho deficiente auditivo, que o educa como um ser ouvinte, na esperança de que não seja discriminado, e porque não sabe lidar com o facto.

A  peça alterna palavras ditas com linguagem gestual e essa conjugação é muito interessante.

E toda a disfuncionalidade dos membros da família perde força ao longo da peça, unidos pelo amor e pelo poder da palavra.

Para terminar, que bom ter visto o grande António Fagundes ao vivo e a cores!

Adorei.

25.09.14

Nervos à flor da pele


Lila

Temos que parar de vez em quando e perceber que o nosso filho tem apenas 9 anos.

E com 9 anos está no 5º ano, numa escola nova, numa turma nova, a começar aulas de conservatório, com professores novos e todo este mundo é absolutamente novo.

Adaptou-se aparentemente bem, sem sobressaltos.

Mas ele também se enerva, também tem medos, também tem que fazer um esforço enorme para que tudo corra bem.

Hoje, ao chegar a casa, depois da escola e assim, do nada, desabou numa crise de choro.

Um choro da alma, lá do fundo, sem motivo aparente e que depois de muito conversar percebemos que foi apenas uma descarga de todos os nervos que foi acumulando.

Está tudo bem.

Mas ele tem apenas 9 anos e há alturas em que nos esquecemos disso.

25.09.14

Tribos


Lila
"
 
Hoje.
Aliar o prazer de ir ao teatro (vamos tão pouco) com o privilégio de ver António Fagundes ao vivo.
23.09.14

Tenis e vestido


Lila

Nesta época, todas as combinações são possíveis.

Tenho que começar a mentalizar-me que a e´poca das sandálias terminou.

O que me vai custar deixar de ter os dedinhos de fora, meu Deus!