Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos sem nó

As minhas histórias

Contos sem nó

As minhas histórias

06.07.14

festa dos 33 e dos 6 meses


Lila

Ontem festejámos o 33º aniversário do meu cunhado e os 6 meses da Margarida.

Foi um lanche que começou às 5h da tarde e que terminou à meia noite, todos no quintal (faltou a sobrinha A. que estava num casório), a ver o jogo e a jogar conversa fora.

O que nos rimos!

Quando se juntam as manas, sai sempre risota da boa.

 

04.07.14

All together now


Lila

Foto: All together now.

 

O pai esteve duas semanas em Pamplona, o filho, uma semana e meia no Algarve.

Este fim de semana regressaram para o meu colo.

Estrafeguei-os ate fugirem de mim.

O pai foge já na segunda para a Alemanha, o filho ainda fica mais uns dias...

04.07.14

Outra surpresa


Lila

Ontem o carro da empresa que me foi roubado da garagem, apareceu.

Recebemos uma chamada na empresa, de um senhor que via o carro estacionado à sua porta há cerca de um mês e achou estranho.

Foi à esquadra da policia onde estava feita a queixa do roubo, quis dar a informação, mas mandaram-no para outra, correspondente ao local onde estava o carro.

Ele não desistiu.

Tem um amigo que trabalha em seguros, e através da matricula, chegou ao nome da minha empresa.

E pela internet chegou ao nosso telefone.

A policia não foi capaz de colocar a matricula do carro no sistema e perceber que esta furtado há dois meses.

Ontem á tarde fui ver o carro, com o senhor que o descobriu.

Deu-me uma pena, ver a minhas coisas misturadas com coisas de assaltos, no porta bagagens do carro, parcialmente destruído.

Consegui a custo que fosse levado para investigação. Queriam dar o caso por encerrado e que ficássemos todos assim sem respostas,  quando ainda há um carro desaparecido e este pode ter pistas.

Cheguei a casa com uma sensação de injustiça e de insegurança.

Eu sei que nem todos os policias são maus profissionais, mas eu tenho tido a pouca sorte de me cruzar com os piores.Excepção feita aos senhores policias que foram comigo ver onde estava o carro.

Jovens, motivados, outra espécie.

E que se riram quando expliquei que não tinham procurado o carro, tendo a informação de um cidadão que se deu ao trabalho de ir à esquadra comunicar um caso estranho.

"O meu colega podia ter partido uma unha, minha senhora."

Pois é.

Infelizmente, é para o que estamos guardados.

 

 

02.07.14

Surpresa numero dois do dia


Lila

Andava com uma dor inespecífica no lado esquerdo superior da boca.

Não conseguia identificar bem o dente em questão, mas parecia-me que seria o ultimo, partido há muito tempo, mas que nunca me dera problemas.

Decidi marcar com a minha Dra. Vanessa, querida que só ela, para não deixar isto avançar.

Lá fui hoje, às 18h, convencida que me diria que não era nada, ou que seria coisa pouca, coisa de gente piegas como eu.

Mas o pior aconteceu.

A fractura era no dente do siso, e muito perto do nervo.

O melhor é tirar. Eu nem sabia que tinha dentes do siso!

Pânico no túnel.

Há mais de vinte anos que  não arrancava um dente.

Mas a confiança na Dra. Vanessa fez-me decidir que o melhor era que fosse já.

E assim foi.

O procedimento foi rápido, apesar do desgraçado ser grande e com 3 raízes.

E a Dra. Vanessa vai explicando tudo, fazendo sempre perguntas , preocupada.

Tenho um dente a menos e neste momento, que a anestesia começa a passar, já me começa a doer.

Teme-se o pior.

Entrei no duche e não consegui lavar o cabelo, porque só cuspia sangue.

Hoje não posso jantar e não tinha lanchado antes da consulta.

Tenho que dormir meio sentada, por causa das hemorragias.

O natural é que amanhã esteja de cara à banda.

Fixe.

Por esta é que eu não esperava.

 

 

02.07.14

O gajo sabe-a toda


Lila

Estou há quase duas semanas sozinha e abandonada pelo meu homem.

Ele lá em Pamplona, eu aqui.

Hoje, quando cheguei a casa, tinha uma caixa no hall de entrada, certamente recebida esta manhã pelas meninas da limpeza.

Uma caixa vinda de Pamplona.

E o que era?

 

Eh pá, tenho que admitir que o meu gajo sabe-a toda!

Fiquei derretida.

Podia tê-las trazido na mala? Podia.

Mas o impacto de recebe-las assim, foi muito maior.

Estão óptimas de tamanho e são muito bonitas.

Muito mais do que na foto merdosa que acabei por lhes tirar.

Dão bem com tudo, são coloridas e o tamanho do salto é perfeito.

Adorei e transformou um dia muito cansativo, num dia com luz.

(mal eu sabia o que me esperava  a seguir)

01.07.14

Por falar de amor


Lila

Considerações várias:

-A Juliete Binoche de que eu me lembrava, já não existe. Foi substituída por uma matrona, de corpo esquisito, em menopausa evidente. Continua uma carinha laroca, mas só isso. Tudo o resto foi-se.

- O filme não vale nada, e tem o fim mais ridículo da historia das películas romanticas. (A sério? Aquilo foi o fim? Give me a break!!!!!)

-A única coisa pela qual valeu a pena as duas horas de exibição foi o culto da palavra escrita e dita. As citações, a explicação da origem das palavras. Só pelas citações, que me encantaram, consegui perdoar tudo o resto.

-Porque é que traduzem o titulo "words vs pictures" por "por falar de amor"? Não tem nada a ver e o titulo original descreve todo o filme. Nunca percebi estas traduções demasiado criativas, para não dizer, estúpidas.

 

Pág. 4/4